10 de setembro de 2021

DO PÓ VIESTE E AO PÓ RETORNARÁS: A ALMA E A VIDA APÓS A MORTE. PARA ONDE VAMOS DAQUI?


A vida vive, a vida não pode morrer assim como a morte não pode viver. A alma é um ser vivo que entra em um corpo e o corpo toma emprestado a vida da alma

O que acontece depois que vivemos; existe vida após a morte? O que o judaísmo fala sobre isso? Não há espaço para debates e conjunturas sobre opiniões pessoaismas vamos procurar saber o que a Torá tem a nos dizer sobre esse assunto; o que sabemos?

MORASHÁ (TRADIÇÃO): OS RITUAIS DE UM ENTERRO JUDAICO


Anunciada a morte de um judeu, a primeira providência da família é comunicar o Chevra Kadisha, grupo de voluntários que orienta e realiza todos os procedimentos funerários

Cuidado e respeito com aquele ou aquela que acaba de morrer são atitudes tomadas em todas as religiões. Entretanto, os rituais pós-morte em algumas delas elevam o zelo com o falecido e preservam tradições distintas e até curiosas. É o caso do Judaísmo e suas leis mosaicas, que conservam, há milênios, os mesmos procedimentos no momento da despedida.

9 de setembro de 2021

"POLACAS": MULHERES DO LESTE EUROPEU OBRIGADAS A SE PROSTITUIR NO RIO DE JANEIRO, POR THIAGO GOMIDE


Principalmente depois de 1850, com a nova aristocracia do café, a prostituição ganhou novos capítulos no Brasil

Conheça a história das mulheres que vieram traficadas do leste europeu para serem prostitutas no Brasil. No bairro de Inhaúma, na Zona Norte da capital fluminense, há um Cemitério Israelita criado por elas. 

Termos iídiches que deram a palavras até hoje usadas. Expressões usadas pelas polacas judias deram origem a palavras hoje muito populares no Brasil. Quando suspeitavam que um cliente tinha doença venérea, diziam ein krenke (“doente”, em iídiche), que acabou se transformando em “encrenca”. O iídiche é muito próximo do alemão. (krank significa "doente" em alemão).E, quando a polícia dava incertas nos bordéis, elas gritavam sacana (“polícia”) – que virou “sacanagem”.

3 de setembro de 2021

DESCOBERTA ARQUEOLÓGICA REMETE AO TANACH


Trata-se da primeira vez em que um nome citado no livro dos Juízes – um dos livros dos Profetas – é encontrado em um artefato arqueológico

Pela primeira vez na história, arqueólogos encontraram uma inscrição que data do período dos Juízes da época bíblica. Em escavações realizadas no sopé das montanhas da Judeia, no sul de Israel, foram encontrados fragmentos de um recipiente com tampa que data de cerca de 1.100 A.E.C., ou seja, há cerca de 3.100 anos. Acredita-se que contenha inscrições com o nome “Jerubaal”, usado para se referir a um de nossos juízes, Gideon ben Yoash. TRATA-SE DA primeira vez em que um nome citado no livro dos Juízes – um dos livros dos Profetas – é encontrado em um artefato arqueológico.

ROSH HASHANÁ (ANO NOVO) E A ESSÊNCIA DO JUDAÍSMO


Todo ser humano tem uma missão a cumprir na vida. Nossas almas não vieram de tão longe a este mundo por razões fúteis

Muitas pessoas perguntam qual é a essência do Judaísmo. A resposta é que o fundamento do Judaísmo – e, de fato, de qualquer religião – é o princípio de que a existência tem um propósito e o homem e a mulher têm um objetivo na vida. Os seres humanos e o mundo em que habitamos têm significado porque foram criados com um propósito maior por um ser superior a quem chamamos de D’us.

24 de agosto de 2021

HACKERS INVADEM TRANSMISSÃO DE SERVIÇO RELIGIOSO EM SINAGOGA EM BOTAFOGO (RJ) E FAZEM AMEAÇAS DE MORTE


Hackers nazistas invadiram uma transmissão da sinagoga ARI (Associação Religiosa Israelita), no tradicional bairro de Botafogo (RJ)

Cenas de sexo e imagens de Hitler foram colocadas na live, que logo foi retirada do ar; A Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) instaurou um inquérito e vai investigar o ocorrido.

21 de agosto de 2021

JUDAÍSMO: CURIOSIDADES


Dia 12 de Elul, é a data de aniversário de Nachmanides, um dos nossos maiores Sábios. Rabi Moshe ben Nachman, conhecido também como o “Ramban” (não confundir com Maimonides, o “Rambam”), nasceu em Gerona, na Espanha, no ano 4954 (1294 EC). Nachmanides foi um médico e filósofo e um grande mestre da Torá. Seus comentários sobre a Torá e o Talmud exploram a dimensão mística do judaísmo e revelam seu grande conhecimento da Cabalá.

Moisés, segundo a Torá, tinha um problema de fala e o Midrash explica o porquê. Um dia, o faraó estava conversando com a filha e Moisés, então com três anos, estava em seu colo. Moisés olhou para a coroa do faraó e, de repente, estendeu a mão e a pegou. O faraó se assustou. Por acaso já não havia sido feita a previsão de que um dia alguém próximo a ele venceria e dominaria o Egito em seu lugar? O faraó chamou os conselheiros pedindo-lhes que interpretassem o gesto de Moisés: seria uma simples brincadeira ou um presságio nefasto? Estes decidiram, então, testá-lo colocando carvões em brasa e ouro diante dele, dizendo: “Se o menino deseja o seu reinado, vai escolher o ouro e, neste caso, merece a morte”. Moisés, atraído pelo brilho, quis estender a mão para o ouro, mas um anjo empurrou-o com força. O menino caiu em cima da brasa, gritando de dor. No pânico do momento, levou à boca a sua mão, onde estava grudado um pedaço de carvão incandescente que lhe queimou a língua. Desde aquele dia, começou a gaguejar, falando com dificuldade.

É um costume ashkenazi tocar o shofar durante todo o mês de Elul, logo após a reza da manhã na sinagoga. O toque do shofar durante Elul visa despertar os judeus espiritualmente e prepará-los para Rosh Hashaná, o Dia do Julgamento.

Neste mês de Elul, o último do calendário judaico, todo judeu deve examinar seus atos e tomar medidas para se auto-aperfeiçoar. Um ensinamento chassídico revela que os últimos 12 dias do ano – 18 a 29 de Elul – correspondem aos 12 meses do ano que passaram. Em cada um desses dias, deve-se tentar corrigir os erros cometidos nos meses correspondentes.

O Talmud ensina que há quatro inícios de ano no calendário judaico: Rosh Hashaná (dia primeiro de Tishrei), dia primeiro de Nissan, dia primeiro de Elul e dia 15 de Shevat, Tu b’Shevat.

O nome do filho de Avraham e Sarah, Isaac, deriva da palavra hebraica "yitzhak"’, que significa "ele rirá". Isaac recebeu esse nome porque sua mãe, Sarah, riu quando D’us prometeu que ela teria um filho, apesar de sua idade avançada. O nome Isaac também refletiu a alegria de Abraão por ter um filho com sua esposa Sarah que, até então, não conseguira engravidar.

O termo "Cabalá" é uma palavra hebraica derivada do verbo "lekabel", que significa receber ou aceitar. O conhecimento da Cabalá foi adquirido primeiramente pelo patriarca Avraham e transmitido, de geração em geração, para os líderes espirituais do povo judeu.

. Fonte:

http://www.morasha.com.br/1/curiosidades.html