3 de outubro de 2020

CEMITÉRIOS JUDAICOS: QUANDO NÃO SE DEVEM FAZER VISITAS


. Pergunta:

Sempre tenho esta dúvida: quais são os dias em que não se costuma ir ao cemitério visitar nossos parentes?

JUDAÍSMO: OS MORTOS PODEM NOS OUVIR?


O mistério da morte é algo que não podemos realmente entender

. Pergunta:

Meu filho faleceu recentemente num acidente. Eu gostaria de saber se ele pode nos ver ou ouvir aqui na terra. Ele ainda está cônscio de nós agora? Seus comentários são importantes.

Mãe sentindo falta do filho.

TRADIÇÃO: POR QUE RASGAMOS NOSSA ROUPA (KRIAH) DEPOIS DE UMA MORTE?


. Pergunta:

Qual é o motivo para o costume dos enlutados rasgarem a roupa na morte de um ente querido?

A COLOCAÇÃO DA MATSEVÁ (LÁPIDE) SOBRE O TÚMULO


Caso o falecido não tenha parente próximo com condições de fazê-la, passa a ser responsabilidade da Chevra Kadisha local

Por Rabino Shamai Ende - Em seu livro: “Últimos Momentos”

1. É costume judaico colocar uma matsevá (pedra tumular) sobre o túmulo do falecido . Esta é de responsabilidade dos filhos e demais parentes. Caso o falecido não tenha parente próximo com condições de fazê-la, passa a ser responsabilidade da Chevra Kadisha (Sociedade sagrada) local.

1 de outubro de 2020

HEBREU?! ISRAELITA?! JUDEU?!


Qual a diferença entre hebreu, israelita e judeu?

No vídeo de hoje, Osvaldo aborda um assunto que traz, muitas vezes, confusão no entendimento. Confira já, a resposta para a pergunta - Qual a diferença entre hebreu, israelita e judeu.

CABALÁ: AS DUAS ALMAS DO HOMEM


Uma definição simples da alma é que é a entidade espiritual que dá vida à pessoa, cuja manifestação física é o corpo

Ensina a Cabalá que cada pessoa, independentemente de sua natureza ou comportamento, possui duas almas1: uma Divina e uma natural. Essas são as almas básicas do ser humano; e não devem ser confundidas com a alma adicional que um judeu recebe durante o Shabat, ou com os cinco níveis da alma – Nefesh, Ruach, Neshamá, Chaya e Yechidá.

29 de setembro de 2020

JUDAÍSMO: ALEGRIA E AFLIÇÃO NA PANDEMIA


Tristeza e felicidade não são dois polos opostos, incapazes de conviver, pois um não exclui o outro


Pelo Rabino Y. David Weitman - Rabino-Chefe da Congregação Beit Yaacov, São Paulo, escritor e palestrante

As notícias que nos chegam sobre a pandemia, em geral, e suas consequências nos doentes e óbitos são assustadoras. Lamentamos imensamente e nos entristecemos. Cinco meses se passaram e o quadro permanece escuro, levando muitos à depressão. À espera do sol atrás das nuvens, qual seria a recomendação judaica neste período de angústia e adversidade? Há possibilidade de momentos felizes em meio a esta aflição?

27 de setembro de 2020

O QUE FOI A GUERRA DO YOM KIPUR?


A Guerra do Yom Kippur teve início após um ataque súbito à Israel, organizado por Síria e Egito

Conhecida pelos nomes de “Quarta Guerra Árabe-Israelense”, “Guerra do Ramadã”, “Guerra de Outubro” e “Guerra Árabe-Israelense de 1973”, a Guerra do Yom Kippur ocorreu entre Israel e um grupo de nações sob a liderança da Síria e do Egito. O combate deu-se entre os dias 6 e 26 do mês de outubro de 1973.

SIGNIFICADO DE YOM KIPUR


Uma transgressão separa a pessoa de D'us. O sentimento de ser afastado de D'us age como um lembrete para o retorno, para estabelecer um vínculo mais intenso com o Criador

Após o pecado do bezerro de ouro, Moshê (Moisés) rezou e, no dia dez do mês hebraico de Tishrei, D'us concedeu pleno perdão ao povo judeu. Yom Kipur é o Dia da Expiação, sobre o qual declara a Torá: "No décimo dia do sétimo mês afligirás tua alma e não trabalharás, pois neste dia, a expiação será feita para te purificar; perante D'us serás purificado de todos teus pecados."

TEORIA DA CONSPIRAÇÃO: LILITH, A PRIMEIRA MULHER DE ADÃO


No decorrer do mito fica claro que, ao consumir o fruto proibido, Adão adquiriu o conhecimento do bem e do mal e não apenas o da sexualidade

Análise do mito de Lilith, primeira esposa de Adão, segundo a tradição judaica, que foi expurgada do texto, hoje conhecido, pela censura dos editores bíblicos que procuraram adequar o livro sagrado aos valores e padrões morais de suas épocas. O Autor mostra que esses cortes não foram suficientes para apagar totalmente a figura de Lilith da tradição oral e, muito menos, de alguns textos rabínicos. No decorrer deste mito fica claro que, ao consumir o fruto proibido, Adão adquiriu o conhecimento do bem e do mal e não apenas o da sexualidade. Mas, o mais importante é o fato que Lilith representa a primeira reação feminina ao domínio masculino.

DIMENSÕES MÍSTICAS DO SHABAT


“O Eterno fez os céus e a terra, o mar e tudo o que há neles em seis dias e repousou no sétimo dia, e por isso o Eterno abençoou o dia de Shabat e o santificou” (Exodus 20:8-11)

A observância do Shabat é um dos fundamentos do judaísmo. A santidade do dia e os mandamentos de guardá-lo e honrá-lo são enfatizados ao longo da Torá.  O Shabat desempenha um papel central no relato da Criação do mundo e da outorga da Torá, nos Livros dos Profetas e na literatura rabínica de todas as gerações. Ademais, o Shabat é o único ritual que consta nos Dez Mandamentos e é o mandamento cuja observância é enfatizada o maior número de vezes na Torá.