9 de fevereiro de 2019

KADISH EM PORTUGUÊS - A ORAÇÃO DOS MORTOS


Há 5 versões de kadish proferidas em momentos diferentes da liturgia judaica

O kadish é conhecido pelos judeus como ‘oração dos mortos’, mas é uma declaração de fé, oração de louvor a Deus e confiança em Deus. É a principal oração judaica dita diariamente nos serviços religiosos nas sinagogas, pela manhã e a tarde, apenas se houver miniam, ou seja um quorum de 10 homens judeus.



Na liturgia dos ramos liberais, o kadish yatom costuma ser pronunciado por todos os que estejam na sinagoga e o desejarem fazer em honra ao falecido

Há 5 versões de kadish proferidas em momentos diferentes da liturgia judaica. O kadish dos enlutados (kadish yatom), dentro da ortodoxia judaica deverá ser pronunciado apenas por parentes da pessoa falecida. Na liturgia dos ramos liberais, o kadish yatom costuma ser pronunciado por todos os que estejam na sinagoga e o desejarem fazer em honra ao falecido.
Pela ortodoxia, um filho enlutado deverá recitar o kadish yatom pelos onze meses seguintes ao falecimento de seu pai ou sua mãe. A recitação pelo falecimento de um irmão, irmã, esposa, marido, filho ou filha é de apenas um mês. Também é recitado nos aniversários da morte.
Entre os liberais recita-se o kadish yatom para amigos e outros tipos de parentes. Frequentemente os liberais convocam amigos e conhecidos para a reza do final da tarde na sinagoga por uma semana. No shabat, os rabinos liberais costumam solicitar a todos que recitem o kadish yatom para os membros da congregação que faleceram durante a semana, citando-os nominalmente.
Ao se cobrir o túmulo com terra, ao final do enterro, os filhos recitam o kadish yatom estendido com um parágrafo que se refere a ressureição dos mortos e a restauração do Templo de Jerusalém (quando o Messias chegar).
É um costume individual dos judeus recitar o kadish para quem bem entenderem ao visitar túmulos nos cemitérios. Também é um costume em visitas aos cemitérios judaicos, e áreas judaicas de cemitérios públicos, antes do Dia do Perdão (Iom Kippur), que um grupo de homens judeus recite um kadish yatom ‘coletivo’ para todos os que estão sepultados no local.
O kadish é recitado em aramaico seguindo uma definição do Talmud de que apenas a leitura da Torá precisa ser feita em hebraico nas sinagogas. Todas as outras orações, canções e salmos podem ser ditas e lidas em qualquer língua, menos árabe.
O único ponto do Kadish Yatom que fala em morto se refere apenas a “todos os que partiram do mundo” de forma genérica.
Assim, mesmo os judeus que compreendem hebraico não necessariamente compreendem o kadish, daí, a imensa maioria o considerar como uma ‘oração dos mortos’ e recitá-la com tristeza e dor e não com alegria e júbilo. A tradução do kadish yatom para o português é a seguinte.

. Tradução Kadish Yatom (Recitado pelos enlutados):

Que o Seu grande Nome seja exaltado e santificado no mundo que Ele criou conforme Sua vontade. Que Seu reinado durante nossas vidas e nossos dias e durante a vida de toda a Casa de Israel, rapidamente e em breve.

(A Congregação responde: 'Amen. Que Seu grande nome seja abençoado para sempre e eternamente').

Abençoado, louvado, glorificado, exaltado, enaltecido, honrado, elevado e elogiado seja o nome do Todo-Poderoso, pois dele emanam todas as bênçãos e louvores. Nosso guia e o que nos conforta, redentor por toda a eternidade.

(A Congregação responde: 'Abençoado Seja')

Para Israel e seus justos e por todos os que partiram do mundo de acordo com a vontade do Juiz.  Possam eles ter uma grande paz pela graça e caridade que eles provem dos céus.

(Amen)

Que os céus possam nos conceder uma grande paz e a vida para todos nós e Israel.

(Amen)

Aquele Que estabelece paz nas alturas, Que possa trazer a paz sobre nós e sobre todo Israel.

A prece kadish, que se traduz literalmente como uma prece para santificar o nome de D'us, é provavelmente uma das preces judaicas mais conhecidas. O kadish básico inlcui louvor a D'us e Sua elevação, e uma expressão do nosso anseio pela suprema redenção da humanidade, quando a soberania de D'us será aparente em nossa vida diária.
A prece kadish é acrescentada ao serviço regular de prece somente quando há um minyan, um quorum de dez homens rezando juntos. Como parte das nossas preces diárias, há quatro tipos diferentes1 de preces kadish:

1 – O “Meio Kadish” ou chatzi kadish:

É composto de várias linhas começando com “Que o grande nome [de D'us] seja exaltado e sagrado…” O meio kadish é recitado por aquele que lidera a prece, e após cada estrofe a congregação diz Amen, que significa “correto, ou “deveria ser assim”. No meio da prece, a congregação inteira diz em uníssono: “O grande nome de D'us deve ser abençoado para sempre e por toda a eternidade.”
O meio kadish é dito quando a comunidade completa determinadas seções do serviço de prece, porém ainda não completou o serviço. Por exemplo, dizemos entre os “Versículos de Louvor: e as bênçãos antes da prece shema, bem como após ler do Rolo de Torá, e assim por diante.2

2 – O “Kadish Completo”, kadish shalem ou kadish titkabel:

Isso é dito pela pessoa que lidera as preces após completar a Amidah, a “prece em pé”,3 e as preces e súplicas logo após ela. Há dois versículos adicionais pedindo a D'us que aceite nossas preces: “Que as nossas preces e as de toda a comunidade sejam aceitas perante nosso Pai no céu…”4 e um pedido pela paz no mundo.

3 – O Kadish dos Enlutados” ou Kadish yatom:

Isto inclui tudo desde o “Kadish Completo” além do versículo sobre a ceitacao da prece e é dito logo após as porções independentes da prece, como a Canção do Dia. Isto era tradicionalmente designado para ser recitado por quem está de luto.
Um “enlutado” é aquele que está ranteando o falecimento de um dos pais, por onze meses,5 ou alguém que comemora o aniversário judaico de falecimento de um aprente, o yahrtzeit.
A santificação do nome de D'us que é feita pelo filho do falecido recitando o kadish traz grande satisfação e elevação da alma, a neshamá, no céu, Ajuda a alma na purificação dos erros que possa ter cometido no mundo físico, e a eleva a níveis mais altos no Jardim do Éden, o que chamamos de “Paraíso”.6
Quando não há enlutados na sinagoga, alguém cujos pais não estejam mais vivos recita esse kadish.7

4 – O Kadish do Aprendiz”, ou kadish derabanan:

Isso é recitado após uma seção do serviço de prece que inclui um trecho de ensinamentos rabínicos, especialmente um que explica versículos bíblicos.8
A prece kadish acrescenta o seguinte ao “Meio Kadish”:
“Que haja paz abundante do Céu, graça, bondade, compaixão, vida longa, amplo sustento e alívio para todos aqueles que se ocupam no estudo de Torá…”
Quando houver um enlutado na sinagoga, ele deveria dizer este kadish também. Quando não houver, o líder das preces deve recitá-lo.9

. Notas:

1. Há um quinto kadish que é recitado após o enterro que fala sobre a Ressurreição dos Mortos.

2. Veja Rabi Shneur Zalman de Liadi, Código da Lei Judaica, Orach Chayim 55:1
3. Também conhecido como Shemonei Esrei.

4. Veja Maimônides, Mishneh Torá, seder tefilot, Nusach Hakadish.

5. Se não houver filho, outro membro da família deve dizê-lo e se não houver ninguém para dizer, pode-se pedir para uma outra pessoa.

6. Visite nossa sessão Ciclo da Vida para mais detalhes, em Falecimento e Luto.

7. Rabi Moshê Isserles, o Ramah, em seu destaque sobre o Código da Lei Judaica, Orech Chayim 132:2; Pri Eitz Chayim, Shar Hakadeishim. Veja o Rebe, Rabi Menachem Mendel Schneerson, de abençoada memória, Igrot Kodesh, vol. 10, carta 3260.

8. Veja Rabi Shneur Zalman de Liadi, ibid. 54:4. Muitos também o dizem fora do contexto da prece quando completa o Tratado de Mishnah, Talmud, série de versículos ou Lei Judaica. Outros dizem ao completar o Talmud o kadish que é encontrado ao final do Talmud.

9. Veja Maimônides, ibid.

. Fontes:

© 2015 José Roitberg - jornalista e pesquisador
ABEC - Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais
As Diferentes Preces de Kadish por Dovid Zaklikowski

Um comentário:

Aroldo Jose Piacesi disse...

Oremos pelos vivos,
porque os mortos estão mortos, definitivamente mortos,
e nada poderá fazer voltar à vida.
Oremos pelos vivos,
que vivenciam e vivem a vida.
Pelos vivos que lutam.
Pelos vivos que trabalham.
Os mortos estão mortos, definitivamente mortos.
E nada os fará viver a vida.

26/02/2019.