3 de junho de 2009

Os judeus secretos do Sudoeste Norte-Americano

Por Amy Klein 18 de maio de 2009
Publicado pela Agência JTA


El Paso, Texas (JTA) - Três coisas estranhas aconteceram ao rabino Stephen Leon na primeira semana que ele mudou-se para cá em 1986 para liderar a Congregação B'nai Zion, uma sinagoga Conservadora nesta cidade fronteiriça.

"Rabino", disse um homem católico ligando de Jaurez, México, distante cerca de 30 minutos. "Eu preciso falar com você."




Toda sexta-feira à noite, desde que ele era pequeno, sua avó levava-o a um quarto, acendia velas e dizia algumas orações em um idioma particular que ele não entendia. Sua avó havia acabado de morrer e, então, ele perguntou à mãe se ela iria continuar a tradição. Ela disse-lhe para ir encontrar um rabino.

Três dias depois, uma mulher católica de El Paso chegou ao rabino após visitar um parente em luto, quando notou que todos os espelhos estavam cobertos.

"Por que vocês estão fazendo isso?", Ela perguntou aos familiares.

Disseram-lhe que era um costume judeu.

Então, o instalador de TV a cabo, o rabino disse-lhe “Shalom Y'all." O homem - um católico hispânico - abriu sua camisa e mostrou-lhe seu cordão com uma estrela - ele tinha acabado de descobrir suas raízes judaicas.

"Três incidentes em uma semana e meia?" Leon recordou. "Alguma coisa está acontecendo."

Vinte e dois anos mais tarde, algo ainda está em curso: um constante surgimento de hispânicos na região sudoeste, desde de Juarez ao Texas para o Novo México, estão descobrindo suas raízes judaicas.

Alguns são atraídos em sua busca por uma misteriosa tradição praticada por um parente mais velho, como não comer carne de porco ou trabalhar no sábado. Para outros, a pista é um artefato como um pião diferente que se assemelha um dreidel, ou um tipo de Tefillin que uma avó católica em uma viagem, uma vez insistiu em deixar com um rabino.

Mas para a maioria das pessoas, é algo muito ténue: uma palavra aqui (bubbe, tzedakah), um nome judeu lá (Rael, de Israel). Muitas vezes, é só um sentimento sobre o Catolicismo, Jesus, o seu passado ou o que eles dizem é sua alma que leva as pessoas saber se sua família era judia.

Cripto-judeus. Marranos. Anusim. Judeus. Conversos. Eles são todos termos com diferentes matizes referentes aos judeus e/ou seus descendentes que foram forçados a converter-se depois que Espanha e Portugal expulsaram todos os não-católicos, mas que continuaram a praticar o judaísmo ou manter alguns costumes judaicos e seus filhos migraram para a América Latina , Europa e, finalmente, os Estados Unidos.

Alguns crypto-judeus estão interessados no conhecimento genealógico, mas não estão planejando deixar o Catolicismo, outros práticam uma mescla de Judaísmo Messiânico e fé em Jesus. Poucos deles abdicam da sua fé católica e convertem-se - eles preferem a palavra "regresso" para o Judaísmo.

"Quem você considera?" Perguntou Stanley Hordes, um dos principais especialistas sobre o cripto-judeus e autor do livro "Para o Fim da Terra: Uma História da crypto-judeus do Novo México" (Columbia University Press, 2008).

"As possibilidades são realmente boas de que muitas pessoas têm antepassados judaicos voltando 500 anos", disse ele, estimando que, após metade da centena de milhares de judeus abandonaram a Espanha, metade converteu-se ao Catolicismo - metade desses judeus convertidos assimilaram-se naturalmente à sociedade católica.

"Entretanto, algumas famílias mantiveram a fé ancestral judaica e continuaram a prática", disse ele. "Hoje, a esmagadora maioria está perfeitamente confortável em seu catolicismo e protestantismo. Em apenas um punhado de casos, as pessoas estão explorando uma relação com o Judaísmo tradicional".

Este Shavuot, quando judeus de todo o mundo comemoram o recebimento da Torá no Monte Sinai e lêem o Livro de Ruth - a história da pessoa mais famosa do mundo a converter-se ao judaísmo - alguns destes Crypto-judaica repatriados comemoraram bar e bat mitzvah com Leon na Congregação B'nai Zion, uma sinagoga com 400 famílias.

Dez por cento dos membros são crypto-judeus, mas "sem meus anusins não posso ter uma minyan", disse Leon.

Ele não está brincando. Em um sábado de manhã quente, em Maio, no imponente edifício angular branco da B'nai Zion localizado próximo à serra que divide El Paso, cerca de 30 das 50 pessoas sentadas no santuário circular decorado com uma estrela judaica são Crypto-judeus. (O santuário maior é usado nos feriados especiais para acomodar os 1.500 membros.)

Um deles é Blanca Carrasco, 43 anos, que retornou ao Judaísmo no ano passado e está prestes a comemorar seu Bat Mitzvah no Shavuot, que este ano começou na noite de 28 de maio.

O rabino caminha com a Torá ao redor do santuário para ser beijada e a congregação canta "ETZ chayim chai, l'amachazikim bah" ( "Uma árvore da vida para todos aqueles que se apegam a Ele ...") e Carrasco-se em lágrimas recita o último versículo: "Hashiveinu Hachem elecha v'nashuva" - "Voltar-nos para ti, meu Deus, e vamos voltar."

O retorno de Carrasco ao judaísmo começou quando ainda era uma criança curiosa católica no México, onde ela era fascinada sobre tudo na Bíblia. Aos 20 anos de idade, ela tornou-se evangélica, mas ainda faltava algo na doutrina para ela e seu marido, Cezar, que considerava-se mais um ateu. Há cerca de 14 anos atrás, sua mãe convidou-a para uma “Páscoa Seder” em uma congregação messiânica em El Paso.

"Sentimos que era familiar – Senti-me em casa", disse Blanca Carrasco.

"A partir daí, a nossa vida mudou", acrescentou. "Eu precisava saber mais."

Assim como uma série de crypto-judeus, que já freqüentam a B'nai Zion, os Carrascos começaram sua transformação religiosa orando no Centro Messiânico, em El Paso, onde aprenderam sobre o Judaísmo, importante rabinos, os festivais e história judaica, e crypto-judeus . Ela encontrou alguns nomes de família - Espinoza, de Israel, Salinas - e uma tia sua disse-lhe que a avó falava Ladino.

Eventualmente, Carrasco começou a pensar apenas na tradição judaica, e três anos atrás ela decidiu deixar a congregação messianica após uma década lá.

"Como posso explicar o que está no meu coração?" Disse ela. "As pessoas nos dizem, 'Você não tem que fazer isso', mas a gente só ama isso, quero aprender e quero fazer isso."

Um ano atrás, um jovem passou por uma "cerimônia de regresso", que é tecnicamente uma conversão,na qual é emitido um certificado de conversão e exige pelo menos um ano de estudo, imersão no mikvah e uma declaração de fé.

Para os Carrascos, sua cerimônia de B'nai Mitzvah no Shavuot é apenas mais um rito de passagem, em sua viagem para o Judaísmo.

"Agora nós pertencemos - nós não temos mais saudade, estamos aqui", disse Blanca Carrasco. "Chegamos ao local que procurávamos".

Fale com cerca de 50 famílias anusins que Leon retornou ao judaísmo - alguns dos quais foram B'nai Mitzvah durante o Shavuot - e você ouvirá uma história semelhante.

Margarita Luna lembra que a avó sempre acendia velas na sexta-feira à noite antes de dizer o Rosário. Mas sua mãe não queria falar sobre isso - talvez porque durante a guerra mexicana na década de 1920, eles tiveram que esconder-se em um poço durante alguns dias. "Sempre no meu coração eu sintia que amava as tradições judaicas", diz ela, dedilhando a mezuzah em seu colar. "Eu sempre dizia que era judia e que precisava retornar às minhas raízes."

Ela e seu marido, Victor, convertido cinco anos atrás, e após a sua B'nai Mitzvah em Shavuot, planejam casar-se em uma cerimônia judaica e, esperam um dia, mudarem-se para Israel com sua filha adolescente.

Encontrar provas históricas é importantes para eles?

"Não é um factor determinante para a minha relação com Deus", disse Victor. "Eu acho que o meu coração, meus sentimentos, minha alma é judia. Isso é mais importante.

Para Leon, que liderou uma congregação em New Jersey por 22 anos antes de vir para El Paso, esta tornou-se sua missão.

"Deus me disse, 'Eu não posso trazer de volta os 6 milhões que foram mortos no Holocausto, mas houve um outro grupo antes que está vivo em números muito maiores do que os sobreviventes do Holocausto porque isso foi há 500 anos, geração após geração, após geração", ele disse. "Suas almas estão vivas. ... Você tem que fazer algo sobre isso. "

Entretanto, nem todos concordam com esta missão. O Rabino Yisrael Greenberg do Chabad de El Paso diz ele recebe a sua quota de chamadas telefónicas de mexicanos que acham que têm raízes judaicas, mas desencoraja a conversão.

"Acho que o cripto-judeu é uma coisa real - há 500 anos, durante a Inquisição centenas de milhares de meninos e meninas judias desapareceram da comunidade judaica ... judeus sempre desapareceram da comunidade judaica - a maior parte pela força", disse Greenberg.

Mas, acrescentou, referindo-se ao forte vínculo religioso mexicano de famílias e na comunidade, "Temos de ter cuidado – em não separar famílias".

"Devemos colocar a nossa energia para o povo judeu e não para tentar trazer de volta o anusim", disse Greenberg. "Se o anusim têm um desejo de compreender o Judaísmo, então vamos ensiná-los sobre os seus antepassados e deixá-los ter um entendimento", acrescentou, o que implica que a melhor coisa a fazer seria deixar as coisas como estão.

Esta abordagem seria ideal para Elay Romero, um torneiro mecânico aposentado, que percorreu a linhagem da sua família através de registros e considera submeter-se a alguns testes de DNA. Ele descobriu o livro sobre crypto-judeus de Stanley Hordes e viajou para Taos, NM, ao saber que o historiador falaria sobre o tema na Sociedade Histórica Judaica do Novo México.

"Estou apenas curioso", disse Romero. "Se eu tiver sangue judeu, está bem. Mas somos católicos praticantes por gerações, e não vou mudar minha afiliação com a Igreja. "

O rabino, entretanto, tem grandes planos. Além de receber crypto-judeus, ele ajudou na criação de um centro de aprendizagem anusim / sefarditas e yeshiva em El Paso com Juan Pablo Mejia, um graduado do Programa Rabínico do Seminário Teológico Judaico da América, e Sonya Loya, diretora do Bat - Tzyion Hebraico Learning Center em Ruidoso, NM O objetivo seria o de trazer para a consciência judaica e público em geral informações sobre a Inquisição e crypto-judeus além de manter a memória do Holocausto.

"O anusim voltará eventualmente, existe um anseio. Existe um plano divino lá fora ", disse Leon.

Com hispânicos apresentando o crescimento populacional mais rápido e os judeus constantemente preocupados com a diminuição de sua população, Leon diz que a comunidade judaica hispânica deve saudar aqueles que querem explorar sua ascendência judaica.

"Creio que o anusim são a única resposta", disse ele. "Eles estão voltando uma forma ou de outra."

Nenhum comentário: